Categorias
Sem categoria

E depois eu fiquei pensando nessa coisa de sentimento… pensei que eu era muito guria pra entender as pessoas grandes e que o meu coração era ainda muito novo pra entender de amor. Aí me lembrei de como sofri/sofro porque ele doía/dói e depois pensei que afinal, o que era a porra do sofrimento? Aí pensei que talvez eu sofresse pra não me sentir sozinha. Pensei que talvez eu precise – constantemente – ter alguma coisa pra me preocupar e pra me fazer doer que não seja eu mesma. Injusto comigo, né? Podia simplesmente “sofrer” por mim e deu, não precisava envolver nenhum indivíduo no meu dramalhão mexicano. Até os pobres mexicanos já se envolveram na minha constante fuga. Que estranho pensar essas coisas. É como um: “pô, que sacana que eu sou com o mundo”. É como dividir a culpa. É quase uma vergonha, porque trata-se de não admitir a solidão. Sei lá, pensei isso enquanto o vestido voava tão vermelho contrastando com o tão amarelo do céu, na rua.

2 respostas em “”

\”Aí pensei que talvez eu sofresse pra não me sentir sozinha.\”bonito esse trecho. a arte tbm é uma forma de nunca se sentir sozinho, ainda que a melhor seja quase toda feita de solidão. sempre funcionou assim pra mim, pelo menos…ótimo blog, moça

Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s