Categorias
Sem categoria

O vinho

Performance poética intermídia na cesma hoje. Pausa é pra usar. A pipoca é a flor do milho. Os sons são a essência e as cores fazem rimas. Me admiro com o susto das pessoas e me empolgo com suas reações secretas diante da novidade. Acordes em desacordo com o comum faz o desespero de não entender (e esse não entender é não entender nem da gente) ficar evidente em toda aflição individual. Sim, mim estar bem aflita também. Segurar firme no braço da cadeira. Bater o pé em consonância. Girar o pescoço imitando um pouco de normalidade. Nada. Apenas tensão pela poesia nova e pelo cheiro antigo. Pensei que eu queria descrever. Não quero mais.

Entende agora o que eu queria dizer? Uma taça de vinho é suficiente pra discar um número que nem tenho na agenda. Uma taça de vinho-tinto-seco e todos os desejos espantam o frio e fazem tudo desimportar no ato. Tanto, mesmo. Tão simples. Nada.

Uma resposta em “O vinho”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s