Categorias
Sem categoria

trégua das férias



acordou com o despertador do amigo e preferiu ficar dormindo enquanto os caras da net estouravam a parede do quarto. sim. abriu um dos olhos, sentiu o rímel grudando as pálpebras e ficou cega com a claridade. tateou a cama buscando o celular. devia ter ficado na bolsa. na sala. não poderia sair da cama porque estava semi-nua e os caras continuavam furando as paredes do quarto onde ela fingia dormir. não precisava do celular. não precisava medir o tempo e nem acordar. torceu para que o rímel colasse as pálpebras e a fizesse quieta até à noite. ouviu o silêncio. perna esquerda para fora. perna direita. demaquilante. banho de água fria. lembrou dos trechos do sarau. buscou o papel com o poema. pensou num cigarro. lembrou que passara mal. tentou fazer cocô, lembrou do trecho lido pelo professor. riu sozinha, alto.



talvez tenha entrado em sumiço num sem querer de propósito.

Uma resposta em “trégua das férias”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s