Categorias
Sem categoria

TPM

Brinquei de Barbie até os doze anos de idade. Tive uma recaída aos 13, quando fui visitar uns parentes no Mato Grosso e passei uma tarde de domingo brincando com uma prima um ano mais nova – que já está casada, tem dois filhos e, imagino, um microondas amarelo – neste dia ela me passou piolhos – ela sempre, desde que comecei a ter cabelos, me passou piolhos nas férias. Nos divertíamos tanto.

Deixei de brincar de Barbie porque todas as minhas amiguinhas começaram a ter relacionamentos reais ou, pelo menos, começaram a se apaixonar platonicamente. Nesta época meu grande amor foi o Leonardo Di Caprio, mas eu abriria mão dele se alguma delas topasse brincar comigo. Fui deixando a fantasia, também, pois o segundo grau não é um ambiente propício para bonecas, mas para vinho de garrafa plástica, cigarros e pegação. No segundo grau eu tive dois amores platônicos secretos.

Meu primeiro beijo foi aos dezesseis, a última das amigas a ter “esta experiência delirante”. Nem preciso contar que me apaixonei e que o moço nunca me deu bola, né? Nunca me deu bola vírgula, ano passado freqüentou o meu bar cativo na Santa Maria e me convidou pra dar um role. Claro que meus joelhos tremeram, mas só de lembrar o quanto chorei por ele (hahaha) empinei o nariz e disse que já era tarde. (rancor_mode_on).

Eu gosto muito da minha vida. Quando trabalhava, gostava muito do meu trabalho. Eu já adoro meu futuro trabalho – que nem sei qual será – e me vejo nele, super-me-divertindo nas madrugadas, pedindo empanadas por delivery e ensinando palavrões em português pra galere. Passo muito bem com meus colegas do mestrado. Fazer os trabalhos é um pouco pesado, mas consigo direitinho e tenho tirado boas notas.

Eu gosto muito da minha vida, mas é melhor quando estou apaixonada. Isso motiva. Impulsiona. Deixa a pele coradinha. Mas não é fácil, galere. Pouca gente leva a sério um amor levinho. Amor levinho não é putaria, não. Amor levinho inclui encontrinhos e casas separadas. Amor-levinho-bom desses que não te pressionam. Desses que se trocam e-mails surpresa, mensagem na madrugada e que tu chega a sentir saudade. Amor levinho pra escutar músicas bonitas, escrever poemas na bordinha do caderno durante a aula chata. Amor levinho pra comprar presente de natal e fazer um plano bonito pro final de semana. Ai ai.

Quando eu ainda brincava de Barbie, doze anos atrás, antes de beijar a gatinha da Barbie o Quen (m?) sempre a pedia em namoro. Depois do meu primeiro beijo, beijei um monte de gente, não sei quantos, não tenho um caderninho. Acho que foi pra recuperar os anos não-investidos. Mas sei lá, agora, com 24 anos, já não pega bem beijar um monte de gente, né? Meio que fui deixando de lado como fui deixando de lado as fantasias da Barbiel. E agora, José?

Eu não quero ter um apartamento com pé direito alto, fumar, beber conhaque de manhã e ter um gato. Na-na-ni-na-não.

Uma resposta em “TPM”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s