Categorias
Sem categoria

Ervilhas

A questão é que ela nunca soube exatamente o que queria, nunca soube muito bem como é que as pessoas podiam decidir pelo caminho da direita sem conhecer o da esquerda. Acha que decidir é desperdiçar oportunidades. Quando entrou no ônibus foi logo para o fundo, assim não teria de ceder o lugar às velhotas emperiquitadas. Uma vez, indo pra universidade, ela viu uma velha cair. Teme envelhecer e não ter dinheiro para pagar o enfermeiro, o motorista e o médico domiciliar. Sabe que não vai precisar de tanto apoio, já que será uma velhota sexy- safada-e-esperta. Na família dela ninguém tem alzheimer. Morre de medo de alzheimer. Acha que é um desperdício de vida. Prefere morrer. Mas preferir é escolher e o próximo passo depois de escolher é decidir. E decidir, finalmente, é desperdiçar oportunidades. Nesse caso, seria desperdiçar vida. Mas que merda de vida é uma vida sem lembranças? Acha que as pessoas são infelizes porque a comodidade do caminho escolhido conduz à frustração. A melhor época foi a da universidade, quando aquela montanha de oportunidades cintilavam e se exibiam nos murais do corredor feliz. O desespero por um caminho seguro e mapeado nos conduz à mediocridade. Foi incrível quando se deu conta disso. Sentiu uma enorme tristeza, sentada sobre os próprios pés, com os olhos inchados e vazia de tudo. O amor é fundamental, mas a busca desesperada pela felicidade idiotiza o mundo. Tem dó. Perdoa. Decide desprezar as ilusões e seguir o caminho das setas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s